suivre par email

29 de ago de 2016

SENTIDO TURBULÊNCIA






SENTIDO TURBULÊNCIA
Thiers R>


Diluí-se  o dia
na voz entorpecida das ruas
na  imensidão dos  porquês
sem motivo ou razão 
desobedeço

no canto  dos cisnes 
que brotam de  minha cabeça 
olhar semínima
como nota que  pousa avessa
penetra-me os poros
no  enlace do viés 
a noite se esgarça 
na imprudência do momento   
na viagem sideral 
desta espaçonave
estremeço ante a possibilidade
como luva
toco a boca
reajo ao instinto 
perdido por  entre letras
rompo fios eletrificados
na agulha que fere  meus dedos
vivo o imaginário
estremeço na turbulência  
e  avanço pedindo  mais


( In. Chovem as Luas de Paris – Ed Big Time/aôut-2015)

Nenhum comentário: