suivre par email

28 de mar de 2008

diálogo com A. Rimbaud sobre noites de inferno


CLIQUE NO LINK PARA VER O VD YOUTUBE



diálogo com A. Rimbaud
a respeito das noites de inferno.
Thiers R>



Enquanto dormes o sono dos malditos
repenso noites de inferno onde fatal e afrodisíaco perfume
jaz a procura do copo.
vidro impuro permanece na paisagem como filme de terror
conteúdo vasculhante de entranhas
espreme-se no sangue.
queimo palavras e diariamente a bebê-las
mordo-me.
violento-me por ruas agourentas
perguntando
onde aporta o barco ateado a velas de fogo,
encontrará seu rumo?
A sede intensa gasta verbos em francês, inglês e português,
línguas desconexas não explicam letras gastas
orgasmos de meus pensamentos.
Expulsas demônios, amigo? Eu os chamo.
chamo demônios que afagam-me a nuca chupada por beijos.
Moro na condenação eterna
convencido de que o descanso é desumano,
os hinos gritam dentro de meu corpo,
posso ouvi-los.
Drasticamente penso: Não quero ser salvo,
quem será o salvador?
Hoje depois de comidos tempos,
descubro véus de agonia
tapo-lhe a boca e vomito.
A paz dorme no silêncio do vácuo.
levanto a taça, bebo mais um gole e esterilizo,
desafio o papel impresso
xerox de repetidos manuscritos,
feitos em série e descolados da impressora.
Voltamos ao convívio amigo, achei-te na internet
por isso, nosso diálogo foi possível.


Out/2007>>

3 comentários:

Alex Sens disse...

muito bom. o vídeo tá bacana e gosto das tuas escolhas de imagens ;)

Raiblue disse...

Esse poema contém sua alma,Thiers,mais do que qualquer outro...

A necessidade de enfrentar seus próprios demônios...um desafio a si mesmo... de mergulhar no inferno e gastar tds os verbos...ainda que desconexos...o que importa?...o diálogo acontece através das almas...virtualmente conectadas...
Não existe salvação...ele não quer se salvar...como será o paraíso??existirá de fato um?
O poeta se entrega ao inferno por pura identificação de alma c esse outro, do outro lado(virtualmente), mas que ,no fundo, é ele mesmo... nos escritos
quase repetitivos revelando seres semelhantes...habitantes do mesmo inferno...

Excelente poema!

Besitos blueinfernais...ahha
Rai..Blue

Max da Fonseca disse...

Um brinde aos demônios que nos chupam!